Viagens ao Inconsciente


09/08/2009


apanho o amor que ficou na imagem espelhada

na lâmina da poça que colheu a lua

naquele dia ainda viço

de moço e moça nua

 

retiro com cuidado as digitais

e as guardo em meu lenço úmido

do amor que faz os casais

o seu vestígio

 

 

Escrito por nelson barroso às 01h19
[ ] [ envie esta mensagem ]

Talvez porque eu já vivera muitos amores, ela veio a mim assim. Ingênua e feliz. Mal suspeitasse de que as intensões são traiçoeiras. Confiou seu discurso na esperança de encontrar alento? Não creio. O amor sabe da guerra em que está metido. Era somente cumplicidade e alguma parceria com alguém que já se metera com ele. Estava lívida. Uma pele rosada de apetite voraz conflitava com sua beleza. As palavras escorriam dos lábios forçadamente, pois, desejava. O amor brilha nos olhos, sorte daquele que usa óculos e não se deixa confundir. Não era para mim aquelas setas. Mas porque eu as roubava tive meu quinhão. Não é na sutura que o amor se instala, mas na fenda. Parece haver um risco constante na virada dos olhares. Uma procura. O amor sonda. Ela sorria solta, algum medo. Seu colo arfou. Lá estava uma fenda atrativa aos meus olhares. Uma saliência. Contou o tempo só pra saber que foram vários minutos dedicados a sua história de amor. Algum samurai entenderia sua eficácia. Ainda posso recolher de algum instante aquela cena eterna, aquele momento na adolescência em que sabemos que nunca morreremos. O cheiro no ar. O clima. As cores. A sensação de esperança e certeza que estaremos vivos. O amor é vivo. Se se esconde talvez seja porque gosta de brincar.

Escrito por nelson barroso às 23h02
[ ] [ envie esta mensagem ]
Busca na Web:

Perfil

Meu perfil
BRASIL, Sudeste, NITEROI, Homem

Histórico